População é orientada quanto aos cuidados com a proliferação do Aedes aegypti

A Prefeitura de Curral de Cima por meio da Secretaria de Saúde orienta a população para intensificar os cuidados e prevenir a proliferação do Aedes aegypti e evitar a transmissão das arboviroses dengue, chikungunya e zika.

O período de maior intensidade biológica do Aedes aegypti é entre outubro e abril, épocas de chuva e oferta de criadouros, sendo que o período dos casos confirmados da doença permanece entre janeiro a julho, com maior pico entre abril e maio e de acordo com esses dados epidemiológicos é preciso realizar ações para evitar a dispersão dos casos da doença no município.

A secretária de Saúde, Renata Ribeiro, enfatiza que a dengue é uma preocupação constante e que é de extrema importância a população ajudar eliminado os criadouros do Aedes Aegypti. “Nós do poder público usamos todos os recursos disponíveis para combater as arboviroses, temos uma boa equipe, usamos a tecnologia e mecanismos modernos de fiscalização, mas o melhor combate vem da população, todos nós devemos revisar nossas casas pelo menos uma vez ao dia e eliminar qualquer água parada, principalmente após dias chuvosos. Estamos em alerta com a dengue, por isso destacamos a importância de eliminar os focos de criadouros”, explica Renata.

“É importante reforçar as orientações de verificar o imóvel 10 minutos por semana e fazer a eliminação dos criadouros, manter as calhas limpas, manter ralos limpos e/ou fechados, tampar tonéis, caixas d’água, não descartar materiais em terrenos baldios e não manter pratos embaixo de vasos de plantas”, completa.

A orientação da Secretaria de Saúde em caso de sintomas das arboviroses é procurar imediatamente uma Unidade de Saúde para atendimento, não tomar medicamentos sem orientação médica e informar ao profissional de saúde a localidade onde esteve nos últimos 14 dias.

Outra recomendação é que adotem métodos de prevenção destas doenças. Entre eles, o uso de repelentes aprovados pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) uso de acordo com as instruções descritas no rótulo da embalagem, a eliminação de possíveis criadouros no local de hospedagem e também manter portas e janelas fechadas, usar calça e camisa de manga comprida de preferência cores claras. Quem possui animais de estimação também precisa ter atenção redobrada com a higienização dos recipientes de água.

Dengue, Zika e Chikungunya são doenças causadas por vírus e transmitidas pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti. Apesar de terem a mesma origem, as três têm alguns sintomas diferentes e é muito importante saber identificá-los, pois eles podem se confundir se não forem analisados com cuidado.

Sintomas Dengue
A infecção por dengue pode ser assintomática, leve ou causar doença grave, levando à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele.

Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Na fase febril inicial da doença pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas, entre outros sintomas.

Sintomas Chikungunya
Os principais sintomas são febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Pode ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Não é possível ter chikungunya mais de uma vez. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. Os sintomas iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. O mosquito adquire o vírus CHIKV ao picar uma pessoa infectada, durante o período em que o vírus está presente no organismo infectado. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas.

Sintomas Zika
Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus Zika não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. No geral, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após 3 a 7 dias. No entanto, a dor nas articulações pode persistir por aproximadamente um mês. Formas graves e atípicas são raras, mas quando ocorrem podem, excepcionalmente, evoluir para óbito, como identificado no mês de novembro de 2015, pela primeira vez na história.

Zika e Microcefalia
O Ministério da Saúde confirmou a relação entre o vírus Zika e a microcefalia. O Instituto Evandro Chagas, órgão do ministério em Belém (PA), encaminhou o resultado de exames realizados em um bebê, nascida no Ceará, com microcefalia e outras malformações congênitas. Em amostras de sangue e tecidos, foi identificada a presença do vírus Zika. Essa é uma situação inédita na pesquisa científica mundial. A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos também confirmam a relação.

COMPARTILHAR